Quanto custam as suas roupas?

by Fashion Revolution Brasil 5 months ago
Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedInEmail to someone

Você já parou pra pensar qual é o custo, no sentido mais amplo, não só com relação ao valor monetário, para produzir uma peça de roupa? E toda uma coleção de uma rede de fast fashion?

Qual o impacto no meio ambiente? Qual o impacto gerado nas nações onde são produzidas essas roupas? Qual o verdadeiro custo de camisetas sendo vendidas a US$ 5? Qual o verdadeiro custo da moda descartável?

Um assunto que está sendo amplamente discutido atualmente e que é retratado no filme The True Cost (disponível no Netflix) é a questão dos impactos causados pelo consumo exagerado de produtos de moda na vida das pessoas e no planeta. Com relatos emocionantes de personagens que fazem parte desse sistema, o documentário retrata muito bem como funciona toda a cadeia produtiva e como as grandes marcas e redes de fast fashion ainda não se preocupam efetivamente com essa questão.

Nunca se produziu tanta roupa e tão barata. O consumo de moda cresceu 500% nos últimos 20 anos com produtos cada vez mais baratos. Esse ritmo acelerado da moda leva a um sistema de produção também acelerado e a qualquer custo deixando um rastro de poluição, degradação e desigualdade. A indústria da moda é a segunda maior fonte de poluição do mundo, perdendo apenas para a indústria de petróleo.

Não é mais só uma questão de roupa barata. É o questionamento de toda indústria global da moda desde os produtores de algodão, aos donos das fábricas têxteis, os trabalhadores que ganham US$ 2 por dia, os ativistas pelos direitos humanos nesses países em desenvolvimento, os economistas que são a favor ou contra esse sistema que é desigual e muitas vezes cruel.

E quem lucra com isso? As pessoas em países em desenvolvimento realmente precisam trabalhar sob condições tão precárias? O jeito que se faz moda hoje é o único jeito?

A indústria da moda é uma indústria milionária em número de pessoas, é uma das que mais precisam de mão de obra humana; em danos ao meio ambiente, e também é uma indústria altamente lucrativa. As grandes varejistas estão milionárias vendendo roupas baratas e descartáveis. E nós, consumidores iludidos com um falso “poder” de compra, matamos milhões de pessoas que trabalham muitas vezes em condições extremamente precárias para suprir essa demanda por dinheiro e por roupas baratas. A cada trinta minutos, um fazendeiro de algodão se mata na Índia. Isso vale uma camiseta de US$ 10?

O documentário, do diretor Andrew Morgan, foi lançado no ano 2015 e já deu muita repercussão. Não tinha como a gente não falar nele também. A ideia do longa partiu da história do Rana Plaza,  em 2013, uma das fábrica de roupas em Dhaka, Bangladesh, que tirou a vida de mais de 1.000 pessoas e feriu gravemente mais de milhares. O colapso do Rana Plaza foi logo depois de um incêndio em outra fábrica que produzia roupas para grandes varejistas de fast fashion. Dois acidentes marcantes que ganharam as manchetes do mundo todo em meio a vários outros eventos isolados que nós geralmente não ouvimos sobre ou preferimos fechar os olhos.

O Rana Plaza é um triste marco na história da moda. A partir dele muita gente começou a prestar atenção nos problemas da indústria da moda que aconteciam desde 1980, mas até então passavam despercebidos.

Por isso, antes de comprar aquela camiseta barata ou aquele vestido daquela grande rede de fast fashion, que você nem sabe se vai usar, pare e pense: qual é o verdadeiro custo desse impulso consumista?

Você também tem sua parcela de responsabilidade nesse sistema.

Texto enviado pelo site  Moda sem crise para Fashion Revolution Brasil


Comments are closed here.